eu quero falar o que sinto.........


Os senhores da Terra optaram pela aceleração do "desenvolvimentismo". Modelo consumista insustentável ante a natureza mãe. Exterminam-se de forma impiedosa milhões de vidas sencientes, o que traz junto os atuais descalabros sócio ambientais... Este é o trilho inexorável e involuto do financismo rentista global, gerador das calamidades sócio políticas e da desvitalização humana nas chamadas enfermidades "crônicas",

...Vivemos um processo de decadência como natimortos anestesiados pela mídia venal e corrupta, aceitando a pulverização do "veneno nosso de cada dia" na agro cultura transgênica, e na carcinogênica PECUÁRIA INDUSTRIAL; Formulados ideologicamente pela logica do LUCRO como um fim, aceitamos passivos o suicídio coletivo da nossa espécie, assistindo os elementos de sustentação vital desaparecer na poluição do ar, nas águas doces e nos mares, mas especialmente na alimentação "carnista", super quimifica e desvitalizante...

Foi gerado em apenas dois séculos uma engrenagem essencialmente antivida, que inverteu todos os valores e códigos éticos minimamente necessários para a sobrevivência sustentável.

Impregnou-se na espécie humana uma brutal insensibilidade ante seus próprios semelhados, e aos animais não humanos (impera o desamor organizado pela ganancia e ignorância).

Agredindo-se arrogantemente a natureza materna e a todos os seres sencientes; explorando-os de forma brutal e abominável, transformando-os em meros produtos alimentícios mercantilizados, instituindo a violência do "especismo" consentido e cultuado na idiotia comportamental, algo absolutamente amoral e passivo pelo consentimento da barbárie do holocausto animal. São estes os fatores negativos pós modernos, intrinsecamente associados a já insana corrida secular rumo ao "ouro de tolo" que sustenta o sistema das mercadorias e do luxo&lixo...

Da servidão moderna:


 A servidão moderna é uma servidão voluntária, acatada pela totalidade dos escravos que se arrastam pela superfície da Terra. Adquirem, eles próprios, todas as mercadorias que os tornam cada vez mais acorrentados. Eles próprios procuram um trabalho cada vez mais alienante que alguém concordou em dar-lhes se eles estão suficientemente amansados. Escolhem, eles mesmos, os senhores que vão obedecer. Para que esta tragédia absurda possa acontecer, foi necessário despojar essa classe da consciência de toda a sua exploração e alienação. Observem bem, pois, aí, está a singular modernidade da nossa época. Contrariamente aos escravos da Antiguidade, aos escravos da Idade Média ou aos trabalhadores das primeiras revoluções industriais, estamos, hoje, com uma classe totalmente subserviente, que não sabe ou, muitas vezes, não quer entender. Eles não vivenciam, por consequência, a revolta que deveria ser a única e legítima reação dos explorados. Aceitam, sem discutir, a vida miserável que alguém construiu para eles. A renúncia e a resignação são a fonte da sua desgraça.