eu quero falar o que sinto.........


Os senhores da Terra optaram pela aceleração do "desenvolvimentismo". Modelo consumista e insustentável ante a vida no planeta. Extermina-se diariamente de forma impiedosa a natureza mãe e milhões de vidas sencientes, causando os atuais desequilíbrios sócio ambientais... Este é o trilho inexorável e involuto, traçado pelo financismo rentista global, gerador das atuais crises sócio políticas, e da calamidade ambiental, da desvitalização, da ausência de imunidade natural, nas chamadas enfermidades "crônicas",

...Vivemos este processo de decadência moral e fisiológica como se fossemos seres já natimortos, anestesiados pelas contra informações de uma mídia venal, deseducadora e corrupta, aceitando passivamente a pulverização do "veneno nosso de cada dia" na agro cultura transgênica, e na carcinogênica e (criminosa) PECUÁRIA INDUSTRIAL. Vivemos o pesadelo da formulação ideológica da "logica do LUCRO" como um fim em si, participando involuntariamente do suicídio coletivo da espécie, assistindo todos elementos básicos de sustentação vital desaparecerem na poluição do ar, das águas doces e nos mares, mas especialmente na alimentação industrializada e "carnista", hiper quimifica e desvitalizante...

Gerou-se em apenas dois séculos da história humana na terra, uma engrenagem essencialmente antivida, que inverteu todos os valores e códigos éticos minimamente necessários para a sobrevivência sustentável.

Impregnou-se na espécie humana uma brutal insensibilidade perante os seus próprios semelhados, e também aos animais não humanos (império do desamor organizado pela mera ganancia e ignorância).

Agride-se arrogantemente a natureza materna e a todos os seres sencientes; explorando-os de forma brutal e abominável, transformando-os em meros produtos alimentícios mercantilizados, instituindo a violência do "especismo", consentido e cultuado na idiotia comportamental das nações globalizadas, algo absolutamente amoral, aético, no consentimento da barbárie do holocausto animal. São estes os fatores negativos pós modernos, intrinsecamente associados a já insana corrida secular do capital rumo ao "ouro de tolo", que sustenta o sistema das mercadorias, das guerras, do luxo e do lixo...

Eco-Consciência


Caminhamos para um desastre psicológico, social e ecológico. Dominados pela tecnologia e o consumismo, vamos perdendo o verdadeiro significado da vida, que é a paz e a felicidade. O amor é a nossa única salvação.
Nossa própria sociedade não se importa o suficiente com o que é verdadeiramente bom para a humanidade. Os resíduos tóxicos na terra e no ar são o subproduto do mesmo gênio que concebeu a tecnologia - que chamamos de progresso. A exploração desenfreada da natureza nos desconecta de nossas necessidades básicas ar – água – alimentação – prazer de viver.
Confundimos felicidade com sucesso. Buscamos oportunidades de riquezas, e escondemos a depressão, a falta de um sentido para a vida e a infelicidade. Reconectando-nos com o Sagrado, aprendemos a apreciar o mistério e a beleza das coisas simples, que passam desapercebidas. Precisamos aprender a sentir a religação entre todas as coisas vivas e as que já passaram sobre a Terra, assim, compreenderemos que todas as histórias fazem parte da nossa história. Tudo está conectado.
Uma das grandes contradições de todo o desenvolvimento é a de que milhares de seres humanos morrem de fome. De outro lado , o que se gasta para alimentar o gado, daria para alimentar toda a população com fome em nosso planeta. Não precisaríamos destruir florestas para transformá-las em pastos, preservando mais o nosso meio-ambiente.
Para se produzir 450 grs. de carne de vaca, são necessários 3Kg de sementes. Estes, por sua vez requerem 3.000 litros de água. No mundo inteiro é cada vez maior a quantidade de água usada em porcos e galinhas, em vez de serem empregadas na irrigação das plantações destinadas ao consumo direto. Uma grande solução para um planeta com fome, seria transformar os pastos em campos de agricultura.
Cada dia que passa, de cem a duzentas espécies de plantas ou animais somem para sempre da superfície da Terra. Populações inteiras de plantas são derrubadas e com ela uma vasta cadeia alimentar. Os chamados “defensivos agrícolas”, na verdade, os agrotóxicos, ou venenos, contaminam águas, peixes , animais e pessoas. Atualmente, alguns estabelecimentos com maior consciência já começam oferecer produtos orgânicos aos seus clientes. Vive-se uma grande polêmica internacional sobre o uso de produtos transgênicos na agricultura, desconhecemos os reais impactos na saúde e no meio-ambiente, é preciso maiores informações sobre o assunto. O ar que respiramos tem sido comprometido pelo desflorestamento, que tem tido uma progressão assustadora, isso associado a intensificação do uso de automóveis, e outros poluidores, tem aumentado a taxa de gás carbônico no planeta.
Apenas 3% da água do planeta é doce, apesar disso tem sido contaminada por dejetos industriais, urbanos, agrotóxicos, sem contar o desperdício. Temos também tendo uma perda acelerada de solo fértil, devido a urbanização, estradas, erosões, queimadas, uso de agrotóxicos e manejos agrícolas inadequados e despejo de dejetos e resíduos de toda a espécie. Estima-se uma redução acima de 30% na vida dos oceanos, os minerais e combustíveis fósseis estão sendo dilapidados. Ainda é um tema a poluição radioativa, a contaminação radioativa do ambiente em volta das usinas e minas de extração de urânio. Todos os anos o lixo aumenta e é cada vez mais diversificado. Uma grande parte do lixo é simplesmente desagradável à vista, e outra parte pode ser tóxica. E os detritos tóxicos são venenosos.
A indústria química aumentou a sua produção e os seus resíduos, pelo menos 15 vezes, desde 1945. A maior parte destes resíduos é despejada em aterros - buracos abertos no solo, onde os desperdícios vão sendo lançados em camadas, contaminando o solo e com o passar do tempo não sobrarão lugares para a agricultura, laser e etc. Hoje em dia os temas muito atuais são chuvas ácidas, buraco na camada de ozônio, lixo em excesso, efeito estufa, poluição e etc., tornam clara a crise que vivemos nos dias de hoje, levantando questões cruciais sobre o futuro da humanidade 

ONDE IREMOS PARAR?